Sexta-feira, 13 de Dezembro de 2013

A MORTE...

A vida precisa ser renovada.

A morte é a mudança que estabelece a renovação.

Quando alguém parte, muitas coisas se modificam na estrutura dos que ficam e, sendo uma lei natural, ela é sempre um bem, muito embora as pessoas não queiram aceitar isso.

Nada é mais inútil e machuca mais do que a revolta.

Lembre-se de que nós não temos nenhum poder sobre a vida ou a morte.

Ela é irremediável.  

O inconformismo, a lamentação, a evocação reiterada de quem se foi, a tristeza e a dor podem alcançar a alma de quem partiu e dificultar-lhe a adaptação na nova vida.

Ele também sente a sensação da perda, a necessidade de seguir adiante, mas não consegue devido aos pensamentos dos que ficaram, a sua tristeza e a sua dor.  

Se ele não consegue vencer esse momento difícil, volta ao lar que deixou e fica ali, misturando as lágrimas, sem forças para seguir adiante, numa simbiose que aumenta a infelicidade de todos.  

Pense nisso.

Por mais que esteja sofrendo a separação, se alguém que você ama já partiu, libere-o agora.

Recolha-se a um lugar tranqüilo, visualize essa pessoa em sua frente, abrace-a, diga-lhe tudo que seu coração sente.

Fale do quanto a ama e do bem que lhe deseja.

Despeça-se dela com alegria, e quando recorda-la, veja-a feliz e refeita.  

A morte não é o fim.

A separação é temporária.

Deixe-a seguir adiante e permita-se viver em paz.  

"A morte é só uma mudança de estado.  Depois dela, passamos a viver em outra dimensão"

 

TEXTOS DE QUE GOSTO!

publicado por Chicailheu às 14:57

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 27 de Junho de 2013

DESUMANOS OS HOSPITAIS DE PORTUGAL!

DESUMANOS OS HOSPITAIS EM PORTUGAL

       

           

Sempre que fui obrigada a entrar num hospital senti uma sensação de frio, de desamparo, de solidão.

E assisti a cenas dantescas.

Pessoas que chegam feridas e quebradas e são deixadas nos corredores, sem atendimento rápido.

 

Gente que sofre e a quem ninguém liga. Velhos que mal se arrastam a andarem de seca-para-meca, dia após dia, saúde perdida, esperança perdida, sem uma palavra sequer, de carinho.

 

De um lado, o desespero de quem sofre.

 

Do outro, o descanso de quem ganha para atender as pessoas, a irreponsabilidade de muitos, a insensibilidade, muitas vezes, até à maldade.

 

Faz pena, faz horror, frequentar os hospitais de Portugal!

 

O crescimento das burocracias e o aumento do número dos doentes fez com que as pessoas sejam tratadas como animais, e que tenha sido perdido o sentido humano. Mais de dois milhões de portugueses passam, por ano, pelos hospitais.

 

Eu posso ser um deles, você pode ser um deles.

 

E TODOS são tratados sem confort .nesses locais que deveriam ser casas de saúde e bem estar, mas que são, quase sempre, antros de doença e de solidão.

 

Onde se passam horas de dor, às vezes, as últimas da vida...

 

 

Quando temos saúde, quando somos jovens, nunca nos lembramos destes problemas.

 

É preciso que a doença nos bata à porta, para que sintamos na carne o que é o sofrimento e como dependemos da boa vontade e do tempo de médicos e de enfermeiras!

 

 

 Há cerca de trinta mil portugueses internados nos hospitais.

 

Dois milhões de pessoas precisam de consultas externas.

 

Mais de dois milhões e oitocentos mil passam pelos serviços de urgência.

 

E esta gente, TODA esta gente (salvo raríssimas excepcções) recebe um tratamento mecânico, burocrático e massificado.

 

Mas isto tem de mudar! Porque todos nós, povo e autoridade, temos de transformar estes hospitais que temos, em casas de saúde verdadeiras, onde ninguém seja obrigado a mais solidão e mais sofrimento do que aqueles que lhe são impostos pela sua condição física.

 

 

 Os doentes têm consagrados na actual legislação os direitos de acesso, participação no controlo da gestão do hospital, na assistência, informação, assistência religiosa e escolha de equipa médica. Mas nada disto está a funcionar.

 

 

As direcções dos hospitais devem dar prioridade à qualidade dos serviços prestados e abrir inquéritos rigorosos quando falhas graves se derem.

 

E DEPOIS dos inquéritos, punir exemplarmente os culpados. Porque com a saúde não se brinca.

 

Em Portugal, faz-se gato-sapato de quem sofre, e se o desgraçado não tem dinheiro para pagar então que morra.

 

Suplemento do jornal "O Comércio do Porto" de 28-04-1985

 

Nota: - Esta crónica da distinta jornalista Maria de Lourdes Brandão nada tem a ver com a tragédia da Gracinha, mas nunca é demais lembrar a deficiente assistência em alguns estabelecimentos de saúde em Portugal.

 

=================================

Tenho o livro "GRACITA FLOR DA SAUDADE". editado por mim em 1985, transcrito neste Blogue: "À Beira do Rio Ceira" Ainda de coração a sangrar aqui fica também para memória futura. Resta-me agradecer ao prezado Amigo Jorge Vicente, director do Fri-Luso, e decoração que lhe fez à volta, com o lindo bairro da Boavista, as Capelas do Mártir e Castelo e vista do Rio Ceira.  Foi aqui que vivi até aos meus 12 anos de idade

 

Augusto Sanches e meu irmão não conseguiu coragem para seguir a justiça. Sofria mais bulindo na "ferida" e desde aí perdeu a saúde e a boa disposição.

Um neurologista de Coimbra Dr. Grilo disse-me uma vez pelo telefone: O seu irmão devido à morte de sua querida filha, tem mortas algumas células que lhe provocaram a doença do Parkinson. O triste acontecimento não matou só a Gracita, mas também o seu pai em 1997.

 

Dia 8 de Feveriro de 2010 completam-se 25 anos do seu desaparecimento. Uma data a salientar de triste comemoração.

 

Gracita, se lá na Pátria Celeste me estás ouvindo e feliz como mereces, Pede  por nós, pela nossa família, por Portugal e pelo mundo inteiro que cada vez desanda mais  sem um destino de FÉ, de ESPERANÇA e CARIDADE.

 

 Mil Abraços meu Amor e faz de conta que nos estamos a abraçar  muito sentidamente. O "outro" que anseio, que ele seja de muita alegria e Glória para Deus. C.B.S.

                                 

 

                                      

  

                                                                 CAPA DO LIVRO

 

              AMIGA,quando eu morrer,

                              Abre-me a porta dos Céus!

                   Quando eu entrar quero ver

                              A doce imagem de Deus!

 

 

Este texo não é da minha autoria, mas podi muito bem ser...

 

Vou tentar comprar o Livro; "GRACITA FLOR DE SAUDADE"

 

(Textos de que gosto e com os quais me identifico)

 

 

publicado por Chicailheu às 19:26

link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

::HORAS CERTAS::

::MÚSICA DO BLOGUE::

:: LINK-ME ::

:: CONTADOR ::

contador de acesso grátis

Índice

adágios

adivinhas

agradecimentos

amizade

amor

anedotas

aniversários

apontamentos

artes decorativas

as minhas músicas

até amanhã

bancos de jardim

boa noite

boa semana

boa tarde

boas recordações

bom dia

bom domingo

bom fim de semana

carnaval

coisas de que gosto

comentários

comentários ano novo

comentários da chica

comentários de natal

comentários de sábado

comentários noturnos

comentários tristes

conselhos úteis

culinária

curiosidades

datas comemorativas

desafios

destaques

dias da semana

dicas

domingo

drinks

efemérides

favoritos

feliz ano novo

feliz natal

fim de semana

fofuras

foto do dia

fotos

fotos interessantes

fotos lindas

frase de domingo

frase de hoje

frase do dia

frases

frases de natal

frases do dia

frases lindas

frases luminosas

frases noturnas

humorismo

ilha terceira

ilhas dos açores

imagem de hoje

imagem do dia

imagens lindas

janelas

janelas de natal

livros

meus textos

miminhos

miminhos de amizade

minhas músicas

minhas telas

músicas favoritas

músicas preferidas

músicas românticas

os meus poemas

outros poemas

parabéns

páscoa

pela madrugada

pela noite dentro

pensamentos

poemas

poemas de natal

preces e orações

prosas

provérbios

quadras populares

recados de natal

recordações

reflexões

retratos dos açores

sabia que

saúde

segredos de culinária

selos

texto lindo

textos

textos da chica

textos lindos

youtubes

todas as tags

Recordações

Janeiro 2017

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

favorito

LINDAS FRASES!

LINDAS FRASES!

NELSON NED -RECADO AOS NA...

Gente e Toiros em vídeo

PENSAMENTOS

Dia Feliz!

Comentário...

"Terceirense", ferrenha!

Novidades

A MORTE...

DESUMANOS OS HOSPITAIS DE...

:: BLOGS ::

- Maripossa Azoriana Blog
Azoriana Blog
O Blog da Joanina
O Blog da Joanina
Photobucket

"MEU POEMA"

Toda a vez que eu choro Há um sol que ignoro Um mundo lá fora Que não se compadece É tempo perdido E este meu ar sofrido Está de mim cansado Sempre que eu me escondo É por cobardia É esta mania de me anular O que eu tenho mesmo No fundo, no fundo… É medo de amar! CHICA
blogs SAPO

subscrever feeds